O que é criatividade?

Curiosidade e capacidade de utilizar os conhecimentos existentes para gerar novas ideias, produtos ou processos. Essa ação começa com o exercício da vida por meio do brincar.

Ainda na infância descobrirmos por meio do concreto, dos fatos que os objetos se encaixam, rolam, que existem superfícies que são mais macias e outras nem tanto, experimentamos cheiros e sabores e todas essas referências vão nos fornecendo informações que vão dando a bagagem de vida para construirmos nosso repertório.

Com o tempo nos desconectamos do prazer que estas tentativas de descobertas proporcionam. Talvez porque à medida que experimentamos, muitas vezes estamos também em contato com alguns riscos, risco de cair, de ter acesso a sensações que não são só prazerosas.

Assim, todos nós nos tornamos seres humanos por meio das nossas tentativas e descobertas, descobrimos o brincar, atividade que nos acompanha desde que nascemos, pois é por meio do brincar que descobrimos as relações na vida, que elaboramos quem somos. Nas brincadeiras que exploramos e descobrimos novas possibilidades, são momentos de pura criatividade. São elas que possibilitam a todos o desenvolvimento de algumas competências como a amabilidade, a abertura para o novo e para a socialização.

Com a chegada do século XXI tão cheio de excessos, o de cuidado com as crianças e a contrapartida, o excesso de falta de cuidado em tantos aspectos, resultam em crianças perdidas e com cada vez menos oportunidade e chance de exercitarem a criatividade. Um exemplo são os raros momentos em que as crianças têm a chance de brincarem sozinhas, elas acessam uma série de possibilidades incríveis, mas com o excesso de preocupações que quase todos temos, cada vez menos as crianças podem brincar sozinhas.

Um fato muito comum é quando uma criança ganha um determinado brinquedo e o adulto que está mais próximo não se contém diante do tempo da criança explorando o objeto e simplesmente começa a ensinar a criança, dizendo olha “funciona assim e não assim”, “olha faça assim”.

Uma grande possiblidade para fomentar esse processo é proporcionar ambientes com materiais não estruturados, ou seja, ambientes onde as crianças possam construir seus brinquedos a partir de elementos simples, como folhas de árvores, pedrinhas, pedaços de madeira ou caixas de papelão.

Pequenos cortes no processo criativo que quase sempre não são perceptíveis aos adultos, mas que acontecem com frequência, contribuem para que as crianças, aos poucos, deixem de acessar as possibilidades de tudo que está à sua volta, aos poucos elas perdem a coragem de serem naturalmente criativas.